Visualization Participants of Corpus Christi Processions in Lisbon in the First Half of the XVI Сentury

 
PIIS207987840000492-0-1
DOI10.18254/S0000492-0-1
Publication type Article
Status Published
Authors
EditionVolume 6 Issue 6 (39)
AbstractCeremony Corpus Christi in Portuguese mentality in the Middle Ages and Early New Times was a victory triumph (parade) of God and his assistants over the forces of evil like Jews, Moors (later Moriscos) and other pagans in the spiritual battle. Demonic figures, if we consider them as trophies in a spiritual battle, could be considered as prestigious. Depending on the social status some guilds were carrying demonic figures, but could not carry the banners and gonfalons of their own (which they undoubtedly possessed), while other guilds could carry statues of saints, and their own banners and gonfalons. Power of two First Estates limited visualizing the guilds’s status, not only as representatives of the Third Estate, but also as members and representatives of House of 24 (Casa dos Vinte e Quatro). In other times guilds could carry figures their patron saints and also demonic figures. In Portugal were not strict laws on the carrying of any figures. Generally, Portugal followed European traditions in celebrations of the holiday Corpus Christi. Processions like Corpus Christi, teeming with visual features of all kinds (confession, status, guild etc.) not only confirm the presence of a very high visual component of traditional European culture, but also fundamental role of these features in the social identification and, accordingly, in the social communications. The visual component — an impartial and objective attitude Portuguese witness to his world, whereby the around world has become clearer for Portuguese.
KeywordsCorpus Christi, pendons, flags, Portugal, procession, Early New Times, figures of saints and demons
Keywords list (other)Portugal, bandeiras, Corpo de Deus, procissão, Casa dos Vinte e Quatro, irmandade
Received30.06.2015
Publication date30.06.2015
Number of characters74420
Cite  
Access to full text of publication

Number of purchasers: 13, views: 3235

Readers community rating: votes 0

  1. Bakhtin M. M. Tvorchestvo Fransua Rable i narodnaya kul'tura srednevekov'ya i Renessansa. M., 1990.
  2. Bidermann G. Ehntsiklopediya simvolov. M., 1996.
  3. Bojtsov M. A. Veksillologicheskie traditsii srednevekovoj Evropy // Signum. Vyp. 7. M., 2013.
  4. Bojtsov M. A. Vlast' pravitelya // Gurevich A. Ya. Slovar' srednevekovoj kul'tury. M., 2003.
  5. Var'yash O. I. Kul'tura stran Pirenejskogo poluostrova v kontse XV — nachale XVII v. // Kul'tura Zapadnoj Evropy v ehpokhu Vozrozhdeniya. M., 1996.
  6. Var'yash O. I. Pirenejskie goroda v Srednie veka // Svanidze A. A. Gorod v srednevekovoj tsivilizatsii Zapadnoj Evropy. T. 1. Fenomen srednevekovogo urbanizma. M., 1999.
  7. Violle-le-Dyuk Eh. Eh. Zhizn' i razvlecheniya v srednie veka. SPb., 1997.
  8. Gurevich A. Ya. Ved'my // Gurevich A. Ya. Slovar' srednevekovoj kul'tury. M., 2003.
  9. Gurevich A. Ya. Kul'tura i obschestvo srednevekovoj Evropy glazami sovremennikov (Exempla XIII veka). M., 1989.
  10. Gurevich A. Ya. Populyarnoe bogoslovie i narodnaya religioznost' srednikh vekov // Karpushin V. A. Iz istorii kul'tury srednikh vekov i Vozrozhdeniya. M., 1976.
  11. Darkevich V. P. Narodnaya kul'tura srednevekov'ya: svetskaya prazdnichnaya zhizn' v iskusstve IX—XVI vv. M., 1988.
  12. Elokhin K. A. Znamya v narodnoj kul'ture Portugalii pervoj poloviny XVII v. // Signum. Vyp. 7. M., 2013.
  13. Elokhin K. A. Sovremennaya grazhdanskaya portugaloyazychnaya veksillologicheskaya terminologiya // Ehlektronnyj nauchno-obrazovatel'nyj zhurnal «Istoriya», 2014. Vypusk 8 (31) [Ehlektronnyj resurs]. Dostup dlya zaregistrirovannykh pol'zovatelej. URL: http://history.jes.su/s207987840000937-9-1 (data obrascheniya: 01.07.2015).
  14. Zvarich V. V. Numizmaticheskij slovar'. M., 1979.
  15. Elokhin K. A. , Maslennikova T. I. Fenomen znameni v grazhdanskom obschestve sovremennoj Portugalii // Ehlektronnyj nauchno-obrazovatel'nyj zhurnal «Istoriya», 2014. Vypusk 8 (31) [Ehlektronnyj resurs]. Dostup dlya zaregistrirovannykh pol'zovatelej. URL: http://history.jes.su/s207987840000939-1-1 (data obrascheniya: 01.07.2015).
  16. Kaplanov R. M. Portugaliya posle vtoroj mirovoj vojny 1945—1974. M., 1992.
  17. Kaptereva T. P. Iskusstvo Portugalii. M., 1990.
  18. Kirillova E. N. Korporatsii rannego Novogo vremeni: remeslenniki i torgovtsy Rejmsa v XVI—XVIII vekakh. M., 2007.
  19. Murashkintseva E. D. Drama gorodskaya religioznaya // Gurevich A. Ya. Slovar' srednevekovoj kul'tury. M., 2003.
  20. Novosyolov V. R. Vojna i dvoryanstvo v memuarakh frantsuzskikh kapitanov XVI stoletiya. Avtoreferat dissertatsii na soiskanie uchyonoj stepeni kandidata istoricheskikh nauk. M., 2000.
  21. Pasturo M. Simvolicheskaya istoriya evropejskogo Srednevekov'ya. SPb, 2012.
  22. Plejdi Dzhin. Ispanskaya inkvizitsiya. M., 2002.
  23. Podosinov A. V. O protsessiyakh v antichnom Rime // Istoriya: dar i dolg. Yubilejnyj sbornik v chest' Aleksandra Vasil'evicha Nazarenko. SPb., 2010.
  24. Sarajva Zh. Eh. Istoriya Portugalii. M., 2007.
  25. Chervonov S. D. Ispanskij srednevekovyj gorod. M., 2005.
  26. Chernykh A. P. Kortesy i politicheskaya praktika (Koimbrskaya assambleya 1385 g.) // Var'yash O.I., Pozharskaya S. P. Iz istorii evropejskogo parlamentarizma: Ispaniya i Portugaliya. M., 1995.
  27. Chernykh A. P. Srednevekovye kastil'skie znamyona XII—XV vv. // Signum. Vyp. 7. M., 2013.
  28. Shvajtser Sh. Exemplum servitutis? Sud'ba antichnoj temy titana Atlasa v Srednie veka i poyavlenie atlantov v srednevekovoj arkhitekture //Bojtsov M. A., Ehksle O. G. Obrazy vlasti na Zapade, v Vizantii i na Rusi: Srednie veka. Novoe vremya. M., 2008.
  29. Shevelenko A. Ya. Tekhnika gorodskikh remesel // Svanidze A. A. Gorod v srednevekovoj tsivilizatsii Zapadnoj Evropy. T. 2. Zhizn' goroda i deyatel'nost' gorozhan. M., 1999.
  30. Yastrebitskaya A. L. Gorod // Gurevich A. Ya. Slovar' srednevekovoj kul'tury. M., 2003.
  31. Yastrebitskaya A. L. Srednevekovaya Evropa glazami sovremennikov i istorikov. Chast' II. Evropejskij mir X—XV vv. M., 1995.
  32. A. Da S. Tullio. Procissão do Corpo de Deus no seculo XV // Castillho de A. F. Revista universal lisbonense, jornal dos interesses phisicos, moraes e litterarios. Collaborado por muitos sabios e litteratos. T. IV. Anno de 1844—1845. Lisboa, 1845.
  33. Almeide de A. Descripção Histórica e Topografica da Cidade de Penafel. Pt. I de Arrifana de Sousa. Cap. IX // História e Memorias de Academia R. das Ciencias de Lisboa. T. X. Pt. I. Lisboa, 1827.
  34. Arkel Dik van. The Drawing of the Mark of Cain. [A Social-Historical Analysis of the Growth of Anti-Jewish Stereotypes]. Amsterdam, 2009.
  35. Barbas dos Ramos C. S. A administração municipal e as vereações do Porto: de 1500 a 1504. Dissertação de Mestrado em História Medieval, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 1997.
  36. Barroso Cabrera R., Morin de Pablos J. El nicho-placa de Salamanca del MAN y otros testimonios arqueológicos del culto a San Miguel en época visigoda // Zephyrus: Revista de prehistoria y arqueología. XLVI. Salamanca, 1994.
  37. Buono Calainho D. Jambacousses e Gangazambes: Feiticeiros negros em Portugal // Afro-Ásia, núm. 26, Universidade Federal da Bahia, 2001.
  38. Carmona M. O Hospital Real de Todos-os-Santos da Cidade de Lisboa. Lisboa, 1954.
  39. Carvalho da Costa A. Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal, com as noticias das fundações das Cidades, Villas & Lugares, que contèm; Varões illustres, Genealogias das Familias nobres, fundasões de Conventos, catalogos dos Bispos, antiguidades, maravilhas da natureza, edificios & outras curiosas observações. Tomo Terceiro, offerecido a serenissima senhora Marianna de Austria, rainha de Portugal. T. III. Lisboa, 1712
  40. Cerqueira E. Apontamentos sobre antigas Procissões de Aveiro // AVEIRO E O SEU DISTRITO. Publicação Semestral da Junta Distrital de Aveiro. № 4. Dezembro de 1967.
  41. Cheever H. T. The Whale and his captors; or, The Whaleman's Adventures and the Whale’s Biography, as Gathered on the Homeward Cruise of the «Commodore Preble». London, 1850.
  42. Cirlot J. E. A dictionary of Symbols. Digitised version. London, 2001.
  43. Coelho Dias G. A Irmandade de S. Crispim e S. Crispiniano: uma reliquia da Idade Media no Porto moderno. // Estudos em homenagem ao Professor Doutor Jose Marques. Vol. 2. Porto, 2006.
  44. Costa Dominguez da R. Mercadores-banqueiros e Cambistas no Portugal dos séculos XIV—XV. Dissertação de Mestrado em História Medieval apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 2006.
  45. Cruz Coelho da M. H. História Medieval de Portugal: guia de Estudo. Porto, 1991. P. 65 // Sousa Nascimento de R. C. Os Privilégios e os Abusos da Nobreza em um Período de Transição: o Reinado de D. Afonso V em Portugal (1448—1481). Tese apresentada como requisito à obtenção do grau de Doutora em História, Curso de Pós Graduação em História. Curitiba, 2005.
  46. Cruz Santos B. C. O Corpo de Deus na América. São Paulo, 2005.
  47. D’A. R. Analyse da estampa. Costumes michaelenses. II. Uma procissão // O Mosaico. Jornal d’instrucção e recreio, cujo lucro é applicado a favor das casas d’asylo da infancia desvalida. № 46. 20.01.1840.
  48. De Domenico De Avilez De Basto A. C. Titollo da cera do corpo de Deus // A Vila do Torrão: segundo as Visitações de 1510 e 1534 da Ordem de Santiago. Dissertação de Mestrado realizado no âmbito do Curso Integrado de Estudos Pós-Graduados em História Medieval e do Renascimento. Porto, 2003.
  49. De Santa Rosa de Viterbo J. Diccionario portatil das palavras, termos e frases que em Portugal antigamente se usárão, e que hoje regularmente se ignorão: Resumido, Correcto e Addicinado pelo Mesmo Auctor Do Elucidario, A Beneficia Da Literatura Portuguesa. Coimbra, 1825.
  50. De Santa Rosa de Viterbo J. Elucidario das Palavras, Termos, E Frases, que em Portugal da Antiguamente se usárão, e que hoje regularmente se ignorão: obra indispensavel para entender sem erro os documentos mais raros, e preciosos, que entre nós se conservão: publicado em beneficio da literatura Portugueza, e dedicado ao Principe N. Senhor. T. II. G—Z. Lisboa, 1799.
  51. Donzellini Volsena A. Historia et Origine della Solennita et Festa del Corpus Domini. Roma, 1585.
  52. Fallows N. Jousting in Medieval and Renaissance Iberia. Woodbridge, 2010.
  53. Flores Reis da Encarnação M. A. A batalha de Toro. Dissertação de doutoramento em História apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 2011.
  54. Fonseca J da. Noveau Dictionnaire de poche Français — Portugais et Portugais — Français. Paris, 1836.
  55. Goulão M. J. Do homem selvagem ao índio brasileiro: a construção de uma nova
  56. Goulão M. J. O negro e a negritude na arte portuguesa no século XVI // A Arte na Península Ibérica ao tempo do Tratado de Tordesilhas. Coimbra, 1994.
  57. Guardados da Silva C. Crónica. Turres Veteras VIII. História das Festas // Lusitania Sacra. Clérigos e Religiosos na Sociedade Medieval. 2ª serie. T. XVII. Lisboa, 2005.
  58. Herbermann C. G. The Catholic Encyclopedia, Vol. 4. Clandestinity-Diocesan Chancery. New York, 2005.
  59. imagem da humanidade na arte europeia de Quinhentos // Carta de Pero Vaz de Caminha: documentos e ensaios sobre o achamento do Brasil. Rio de Janeiro, 2000.
  60. Jung Jacqueline E. The Passion, the Jews, and the Crisis of the Individual on the Naumburg West Choir Screen. // Beyond the Yellow Badge. Anti-Judaism and Antisemitism in Medieval and Early Modern Visual Culture. Leiden-Boston, 2008.
  61. Langhans Franz-Paul. As antigas corporações dos ofícios mecânicos e a Câmara de Lisboa // Revista municipal de Lisboa. Ano 11. № 7. 1º Trimestre de 1941.
  62. Lavanha J. B. Viagem da Catolica Real Magestade Del Rey D. Filipe II. N.S. Ao Reyno de Portugal. E rellação do solene recebimento que nelle se lhe fez S. Magestade. Madrid, 1622.
  63. Leal Anileiro A. D. O linho no concelho de Penafiel. Dissertação de Mestrado em Arqueologia. Porto, 2010.
  64. Lindo E. H. The History of the Jews of Spain and Portugal From the Earliest Times to Their Final Expulsion From Those Kingdoms, and Their Subsequent Dispersion; with Complete Translation of All the Laws Made Respecting Them During Their Long Establishment in the Iberian Peninsula. London, 1848.
  65. Lisboa // O Panorama. Jornal litterario e instructivo da Sociedade da propagadora dos Conhecimentos Uteis. Vol. 4. Lisboa, 1840.
  66. Livermore H. V. A new history of Portugal. Cambridge, 1966.
  67. Lopes J., Seabra R. Documentação notarial e tabeliães públicos no Porto na centúria de trezentos // CEM: Cultura, Espaço & Memória. Revista do CITCEM. Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço & Memória». № 3. Porto, 2012.
  68. Mandianes Castro M. Galicia. // Fernándes Montes M. Etología de las Comunidades Autónomas. Madrid, 1996.
  69. Mariz P. de. Dialogos de varia historia, em que se referem as vidas dos senhores reys de Portugal com os mais verdadeiros retratos quese puderam achar. Com as noticias de nossos reynos & conquistas & successos do mundo. Lisboa, 1674.
  70. Marques da Silva A. J. 1383 no alvorecer da pátria. Dissertação de Mestrado em História Medieval e do Renascimento Apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 2004.
  71. Marques J. Da situação religiosa de Portugal nos finais do século XV à missionação do Brasil // Revista de História. № 11. Porto, 1991.
  72. Mattos J. O culto dos mortos na Peninsula Ibérica (séculos VII a XI) // Lusitania Sacra. 2e série. T. IV. Lisboa, 1992.
  73. Mattoso J. História de Portugal. Vol. III. Círculo de Leitores. 1993.
  74. Merback Mitchell B. Introduction // Beyond the Yellow Badge. Anti-Judaism and Antisemitism in Medieval and Early Modern Visual Culture. Leiden-Boston, 2008.
  75. Mestre Gil. (Chronica do seculo 15º). VI. O Procissão do Corpus // O Panorama. Jornal Litterario e Instructivo da sociedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis. Vol. II. Lisboa, 1833.
  76. Moraes Silva A. de. Diccionario da Lingva Portuguesa. Recopilado dos impressos até agora e nesta segunda edição novamente emendado, e muito acrescentado. T. II. F—Z. Lisboa, 1813.
  77. Moraes Silva A. de. Diccionario da Lingva Portuguesa. Recopilado dos impressos até agora e nesta segunda edição novamente emendado, e muito acrescentado. T. II. F—Z. Lisboa, 1813.
  78. Morais Barros A. J. A procissão do Corpo de Deus do Porto nos séculos XV e XVI: a participação de uma confraria // Revista da Faculdade de Letras: História. Série II. Vol. 10. Porto, 1993.
  79. Morais Barros A. J. As relações entre o Porto e a Galiza nos finais da Idade Média: (perspectivas de trabalho) // Revista da Faculdade de Letras: História. Vol. 15. Porto, 1998.
  80. Morais Barros A. J. São Pedro de Miragaia: uma confraria de gentes do mar do Porto no século XV // Congresso Internacional Bartolomeu Dias e a sua Época. Actas. Vol. IV. Sociedade, Cultura e Mentalidades na Epóca do Cancioneiro Geral. Porto, 1989.
  81. Moule A. C. Quinsai: With Other Notes on Marco Polo. Cambridge, 1957.
  82. O Antiquario Conimbrigense. Num. 1. Coimbra, Julho 1841.
  83. Oliveira Lopes Afonso M. L. de. O Porto segundo o Livro de Vereações de 1559. Dissertação de Mestrado do Curso Integrado de Estudos Pós- Graduados em História Medieval e Renascimento. Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 2002.
  84. Oliveira Lopes Afonso de M.L. O Porto segundo o Livro de Vereações de 1559. Dissertação de Mestrado do Curso Integrado de Estudos Pós- Graduados em História Medieval e Renascimento. Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 2002.
  85. Oliveira Marques A. H. de. Breve história de Portugal. 7ed. Lisboa, 2009.
  86. Oliveira Marques A. H. de. Breve história de Portugal. 7ed. Lisboa, 2009.
  87. Oliveira Marques A. H. de. Daily Life in Portugal in Late Middle Ages. Lisbon, 1964.
  88. Parafita Correia A. J. Mouros Míticos em Trás-os-Montes — contributos para um estudo dos mouros no imaginário rural a partir de textos da literatura popular de tradição oral. Volume I. Tese apresentada à Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro para obtenção do Grau de Doutor em Cultura Portuguesa, de acordo com o disposto no Decreto-Lei 216/92 de 13 de Outubro. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 2007.
  89. Patriarca R. Um estudo sobre a Inquisição de Lisboa: o Santo Ofício na Vila de Setúbal 1536—1650. Dissertação de Mestrado em História Moderna Apresentado à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 2002.
  90. Penteado P. Fontes para a História das Confrarias: algumas linhas da orientação para uma pesquisa na Torre do Tombo. Lusitania Sacra, 2ª série, 7, Universidade Católica Portuguesa, Beiras-Braga-Lisboa-Porto, 1995.
  91. Pereira e Sousa J.J.C. Esboço de hum diccionario juridico, theoretico, e practico, remissivo ás leis compiladas, e extravagantes. T. Segundo, F—Q. Lisboa, 1827.
  92. Pestrello Câmara da P. Diccionario geographico, historico, politico e litterario do reino de Portugal e seus dominios... T. I. Lisboa, 1850.
  93. Pinto Costa P. Das festas religiosas ao luto por D. Sebastião no âmbito da vereação de Braga // Estudos em homenagem ao Professor Doutor José Marques. Vol 4. Porto, 2006.
  94. Portela Silva E. Historia da cidade de Santiago de Compostela. Santiago de Compostela, 2003.
  95. Purificação Lima da M. M. A vivência do tempo na Idade Média, no Livro das Posturas Antigas de Lisboa. Tese de mestrado apresentada ao curso de História Medieval e do Renascimento. Porto, 2009.
  96. Rebello da Silva L. A. Historia de Portugal nos seculos XVII e XVIII. T. V. Lisboa, 1871.
  97. Rebello da Silva L. A. História de Portugal nos séculos XVII e XVIII. Lisboa, 1871.
  98. Ribeiro A. V. O demónio em carne viva: a pele e a anatomia simbólica da possessão // Lusitania Sacra. Clero, Doutrinação E Disciplinamento. 2ª serie. T. XXIII (Janeiro — Junho 2011). Lisboa, 2011.
  99. Ribeiro da Silva F. Espaços e tempos de lazer na sociedade portuense do antigo regime. // O Tripeiro. 7ª Série. Anno XII / № 8 agosto 1993.
  100. Ribeiro João Pedro. Dissertações chronologicas e criticas sobre a historia e jurisprudencia ecclesiastica e civil de Portugal. Dissertação XVIII. Appendice XXIX. Lisboa, 1819.
  101. Rijo D. Os escravos na Lisboa Joanina // CEM Cultura, Espaço e Memória: Revista do CITCEM. Vol. 3. Porto, 2012.
  102. Rodrigues L. A. Bragança no século XVIII. Urbanismo. Arquitectura. Vol. I. Dissertação de mestrado em História de Arte apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Bragança, 1995.
  103. Sa Pereira de Vasconcelos E. A. Vereações na Câmara do Porto no ano de 1548. Dissertação de Mestrado em História Medieval apresentado à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 2001.
  104. Santos Bentos Soares E. R. dos. O concelho portuense em 1551. Dissertação de Mestrado em História Medieval apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 2001.
  105. Santos dos C. Vida religiosa do clero e das massas populares em portugal nos finais da idade média // LVCERNA: colectânea de estudos de homenagem a D. Domingos de Pinho Brandão, número extraordinário. Porto, 1984.
  106. Scoresby W. The Northern Whale-Fishery. London, 1799.
  107. Sharp T. Dissertation on the Pageants or Dramatic Mysteries anciently Performed at Coventry by Trading Companies of That City; Chiefly Represence to the Vehicle, Characters, And Dressers of the Actors. Compiled In a Great Degree, From Sources Hitherto Unexplored. To Which Are Added, the Pageant of the Shearmen & Taylor’s Company, And Other Municipal Entertainments of a Public Nature. Coventry, 1825.
  108. Silva Alves Dos Santos Figueiredo da M. A. A administração municipal do Porto entre 1488 e 1498 segundo o livro 6 de vereações. Dissertação de mestrado em História Medieval, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 1996.
  109. Silva Alves Dos Santos Figueiredo da M. A. A administração municipal do Porto entre 1488 e 1498 segundo o livro 6 de vereações. Dissertação de mestrado em História Medieval, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 1996.
  110. Silva Correia F. da. Os Velhos Hospitais da Lisboa Antiga // Revista Municipal. № 10. Câmara Municipal de Lisboa. Lisboa, 1941.
  111. Silva Monteiro A. A Heresia dos Anjos: A Infância no Inquisição Portuguesa nos Séculos XVI, XVII e XVIII. Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em História de Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para obtenção do Grau de Mestre em História. Área de Concentração: História Social. Niterói, 2005.
  112. Simões Rocha da A. S. Os Anjos Músicos da Casa-Museu Guerra Junqueiro. Mestrado em História da Arte Portuguesa apresentado à Faculdade de Letras da Universidade de Porto Porto, 2010.
  113. Soares da Sylva J. Memorias para a historia de Portugal que comprehendem o governo Delrey D. João I. T. 2. Lisboa, 1731.
  114. Sousa da Silva M. C. Corte Enperial: perspectivas de reflexão sobre o problema de Deus. Dissertação de Mestrado de Filosofia Medieval. Porto, 2005.
  115. Sousa de A. Tempos Medievais // Oliveira Ramos de L. A. História do Porto. 1ª ed. Porto, 1995.
  116. Soyer F. The Persecution of the Jews and Muslims of Portugal. King Manuel I and the End of Religious Tolerance (1496—1497). Leiden-Boston, 2007.
  117. Spicer Dorothy G. Festivals of Western Europe. New York, 1958.
  118. Tavares Pimenta Ferro M. J. Os Judeus em Portugal no século XIV Lisboa, 1979.
  119. Thacker J. A Companion to Golden Age Theatre. Woodbridge, 2007.
  120. Trindade L. Jewish Communities in Portuguese Late Medieval Cities: Space and Identity // Religion, ritual and mythology : aspects of identity formation in Europe. Pisa, 2006.
  121. Verdier Graf S.E. de. D. João Esteves da Azambuja : exemplo da interligação de poderes (séculos XIV e XV). Dissertação de Mestrado em História Medieval e do Renascimento, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 2011.
  122. Vieira A. Procissão do Corpo de Deus. Sua antiguidade, e com que acompanhamente e figuras se tem feito em Lisboa desde o tempo D. João I // Archivo pittoresco. Semanario illustrado. Vol. III. Lisboa, 1860.
  123. Vieira A. Procissão do Corpo de Deus. Sua antiguidade, e com que acompanhamente e figuras se tem feito em Lisboa desde o tempo D. João I // Archivo pittoresco. Semanario illustrado. Vol. III. Lisboa, 1860.
  124. Vieira A. Procissão do Corpo de Deus. Sua antiguidade, e com que acompanhamente e figuras se tem feito em Lisboa desde o tempo D. João I // Archivo pittoresco. Semanario illustrado. Vol. III. Lisboa, 1860.
  125. Vieyra Antony. A Dictionary of the Portuguese and English Languages in two parts; Portuguese and English and English and Portuguese: Wherein I. The words are explained in their different Meanings by examples from the best Portuguese and English Writers. II. The Etymology of the Portuguese generally indicated from the Latin, Arabic and other Languages. London, 1813.

Система Orphus

Loading...
Up